Entidades da construção divulgam manifesto aos candidatos à Presidência

A Brasinfra é uma das entidades signatárias do Manifesto pela Nação Brasileira publicado nos jornais O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo na edição de quarta-feira, dia 24 de outubro de 2018.


O manifesto afirma que o país está "diante de uma crise econômica sem precedentes, que precisa ser enfrentada com coragem e com novos parâmetros. A carta faz um apelo aos brasileiros para que não fujam do "nosso compromisso cívico".


Ao todo 31 entidades dos setores da construção civil, imobiliário e infraestrutura alertam que para o país se tornar uma nação desenvolvida com  equidade econômica e justiça social, pelo menos 15 pontos devem ser considerados. As recomendações vão desde a redução do tamanho do Estado e aumento das privatizações e das parcerias público-privadas, até preservação da liberdade de imprensa e "defesa firme e obstinada da democracia".


O "Manifesto pela Nação Brasileira" também aborda a necessidade de manutenção das leis e de reformas que diminuam o peso do Estado e estimulem a economia com a diminuição dos gastos públicos.


Para as entidades que compõe a Brasinfra o bem-estar da nação e o desenvolvimento do país tem que seguir critérios de planejamento, continuidade e segurança jurídica, independente de quem venha ocupar o cargo de mandatário do Brasil. 


Conheça os quinze pontos do Manifesto pela Nação Brasileira, defendidos pelos setores da construção civil, imobiliário e infraestrutura: 


  • Observância irrestrita à Constituição;
  • Estímulo à iniciativa privada;
  • Segurança jurídica com respeito aos contratos;
  • Segurança física e patrimonial das pessoas;
  • Apoio intransigente à ética política e empresarial;
  • Defesa inconteste do Direito de Propriedade; 
  • Redução do tamanho do Estado;
  • Privatização criteriosa de empresas públicas e estímulo às parcerias público-privadas;
  • Manutenção das leis e de reformas que diminuam o peso do Estado e eliminação de tributos sobre a folha de salários;
  • Aprovação de uma Reforma da Previdência que torne as aposentadorias mais justas e igualitárias, e uma Reforma Política que privilegia o bem-comum;
  • Preservação da liberdade de imprensa e dos meios de comunicação;
  • Equilíbrio entre os três poderes da República, evitando abusos que tragam insegurança jurídica aos negócios;
  • Defesa da meritocracia para os cargos públicos; 
  • Defesa firme e obstinada da Democracia!

Para ter acesso ao texto publicado no jornal O Estado de São Paulo clique aqui.